Tag Archive for treinos

Treinão ASIN e Amigos do Mineiro

Mineiro, seus amigos é que batem palmas para você!

Mineiro, seus amigos é que batem palmas para você!

Feliz do cara que tem amigos. O Vander Maciel, mais conhecido por Mineiro, reuniu mais uma vez seus amigos e dessa vez por uma ótima causa. O Treino do Mineiro, que começou em 2011, passou 2013 em branco, mas em 2014 veio com tudo. Em conjunto com o ASIN – Associação Síndrome de Down, em comemoração ao Dia Internacional da Síndrome de Down, o evento foi um tremendo sucesso. Reuniu cerca de 500 amigos não só para treinar, mas também para contribuir com a entidade, com a arrecadação de cerca de 1,5 toneladas de alimentos.

Nem a garoa fina na manhã fria do primeiro domingo de outono desanimou os amigos de irem ao lindo Parque Burle Marx, mais conhecido como Parque da Cidade em São José dos Campos, para participar dessa confraternização dos amigos.

Correndo com o Paulinho e o Sergio Freitas

Correndo com o Paulinho e o Sergio Freitas – Foto: Wagner Morais

Fazia tempo que eu não corria devido ao Neuroma de Morton. Quarenta e cinco dias sem uma corridinha na rua sequer, provas então, a última foi a Volta ao Cristo, já no distante 26 de janeiro. E faz falta esse convívio com a equipe e companheiros de atividade. Como o tal do Neuroma não tem solução que não seja cirúrgica, me senti liberado pelo médico, para me acostumar a correr com ele.

E o Treinão deixou muita corrida no chinelo. Tremendamente bem organizado e sinalizado, pontos de hidratação bem localizado, e o percurso muito bem preparado, que evitou os prontos críticos que poderiam estar cheios de lama devido a chuva. E tudo isso feito pelos amigos voluntários.

O que dizer então dos nossos amigos fotógrafos, buscaram os melhores ângulos para registrar belas imagens dos atletas enquadrados na beleza do Parque. E não economizaram nos cliques, só fotos minhas já achei mais de 20, nos álbuns do Junior, do Wagner e da Aline.

Correndo e Apitando na bela paisagem do Parque da Cidade. Foto: Junior

Correndo e Apitando na bela paisagem do Parque da Cidade. Foto: Junior

Bom, e meu desempenho em mais um retorno pós contusão? Foi normal, senti um pouco o ritmo, e o pé doeu um pouquinho, mas já esperava isso. O bom foi correr com os amigos, cheguei cansado depois dos quase 10km, mas feliz, para ver a bela apresentação dos Jovens da ASIN, que surpreenderam a todos, com um espetáculo de dança de rua.

Só temos a agradecer a oportunidade que a ASIN e o Mineiro nos deram, além de correr com os amigos, poder contribuir com essa entidade, e ainda fazer novos amigos, pois hoje, além de amigos do Mineiro somos todos amigos da ASIN! Valeu!

Se você quiser saber mais sobre a ASIN – Associação Sindrome de Down e como pode ajudar, clique aqui.

Teste de Cooper

Utilizado para avaliar a sua resistência em relação a outras pessoas da sua mesma idade e sexo, o Teste de Cooper mede a distância que você é capaz de correr por 12 minutos, mantendo um ritmo constante.

Entendendo os números:

MET: É a sigla em Inglês para Tarefa metabólica equivalente. Ela estima a quantidade de oxigênio usado pelo corpo durante a atividade física.
1 MET = a energia (oxigênio) usado pelo corpo quando está tranquilo, ou fazendo atividades simples, como ler um livro, ou atender o telefone.
Quanto mais trabalha o seu corpo durante a atividade física, maior o índice de TEM.

VO2 máx é o consumo máximo de oxigênio ou capacidade aeróbia é a quantidade máxima de oxigênio que o corpo pode absorver. Se este limite for ultrapassado, o corpo começa a trabalhar em condições anaeróbias e produz ácido lático.

Média é a capacidade aeróbia (VO2 max), que tem as pessoas do seu sexo e idade

A Pontuação compara seu desempenho com pessoas do mesmo sexo e idade.

Avaliação pode ser muito mal, ruim, média, boa ou excelente.

Faça seu teste, corra ou caminhe (vai depender do seu condicionamento) num ritmo constante durante 12 minutos numa pista plana. Marque a distância percorrida nesse tempo, lance seus dados na tabela abaixo, e obtenha o seu resultado. Essa avaliação será útil na hora do profissional de Educação Física for montar sua planilha de treinos.

Treino com corrida no meio

Pelotão de Elite: Raymond, Edson, Fabio, Eu, Carneiro e Manuel

Pelotão de Elite: Raymond, Edson, Fabio, Eu, Carneiro e Manoel. De elite mesmo só o Raymond e o Manoel, o resto são 3 Pangarés e 1 Carneiro.

 

Estou de volta, de novo. Depois da Maratona, tratamento e recuperação. A recomendação médica era de 3 semanas sem treinos, mas na última semana, sentindo que já estou recuperado, me arrisquei em dois treininhos leves. Um solitário no Pq. Vicentina Aranha, e outro com os amigos da 100 Juízo.

Como foi tudo normal e na certeza de que a recuperação foi 100%, na manhã de domingo, ainda fria às 8h30, sai agasalhado, gorro e meião para um treino diferente: 5km de aquecimento até a Via Norte, aonde aconteceria a Super 5K SJC (uma prova de Corrida 5km e de Duatlon), cheguei com 27m30s a tempo de me alinhar na “elite” com os companheiros de 100 Juízo, o Fabio até deu a dica: “Quem quiser ir bem é só acompanhar o Raymond” (ele viria a ganhar a prova), quem dera, mas a segunda etapa do treino foi dada junto a largada da prova de 5km oficiais (no GPS deu 4,8km) Comecei acho que forte demais, mas no primeiro km da corrida (seria o 6º do treino), senti que daria para fazer a prova com pace abaixo de 5:00/km. No trecho de subida caiu um pouco, mas no final ficou em 4:50/km. A meu ver muito bom. Foi o tempo de recuperar o folego, batendo um papo com os amigos, beber uma água e tomar o rumo de volta, enquanto a turma das bicicletas faziam a segunda parte no Duatlon. Voltei mais devagar, e ai fica mais uma reclamação com relação as nossas calçadas. Na subida da Avenida São José estão intransitáveis. A Prefeitura está criando faixas de ônibus, ilhas, etc, mas não cuida das calçadas logo no final da ciclovia da Via Norte e aonde tem um ponto de ônibus. Se não tivesse uma corrida de bicicletas, eu estaria correndo na rua, acabei tropeçando e caindo, sem nenhuma consequência, mas poderia ter tido. Levantei rápido e continuei no ritmo, mais leve na subida, e recuperando um pouco no banhado, acabei fazendo os últimos 5km em 31 minutos e fechando os 15km em 1h22m, sem sentir dor alguma no tendão, e com a certeza que agora é manter o treinamento firme e sem exageros, mas focado no objetivo.

Terei tempo, a prova alvo está lá no dia 06 de Outubro, mas no sábado tem 10km na Night Run Special Edition na USP em São Paulo, pra pegar o ritmo de novo.

Um buraco no meio do caminho.

GPS do miCoach registrou a queda.

GPS do Adidas miCoach registrou a queda.

Sempre tem uma primeira vez. Depois de 4 anos correndo, tomei um tombo. Quarta-feira, dia 03 de abril, saí a noite para o meu treininho básico, que seria simples de 8km, ritmo moderado. Para variar um pouco o trajeto e sair um pouco do Parque Vicentina durante a semana, resolvi descer a Heitor Villa Lobos e seguir para o Urbanova, pela Avenida Jorge Zarur (Vidóca).

Faço sempre esse caminho, e já acho um absurdo que as calçadas na Vila Ema sejam tão estreitas, e ainda tenhamos que competir com postes, vasos de plantas e lixeiras. Passando os “Edifícios Clubes” do começo da Heitor Villa Lobos, tem uma ruazinha de acesso a Jorge Zarur. É uma rua de fundos de alguns prédios com a calçada mal iluminada e mal cuidada.

No meio da calçada a tampa de bueiro desalinhada, com buraco e um ferro para você tropeçar.

No meio da calçada a tampa de bueiro desalinhada, com buraco e um ferro para você tropeçar.

Passo sempre por ali, e sempre tomo cuidado, não acho que tenha sido o excesso de confiança e falta de atenção. Estava no começo do treino, ainda em aquecimento, quando você fica ainda procurando e observando cada passada e foi quando pisei na tampa do bueiro desalinhada no meio da calçada e que torceu meu pé. Na hora nem tentei forçar, deixei o corpo cair no movimento, e rolei no chão. Acho até que a queda foi bonita, nunca fiz aulas de judô, mas acho que cai certinho, tanto é que, apesar de ter rolado no cimento, não me ralei e nem dei nenhuma pancada. Na hora, somente a dor forte no tornozelo, tentei ficar de pé, mas permaneci por mais alguns minutos no sentindo que o treino acabara por ali.

Uma senhora que passava na rua, ainda me perguntou se estava tudo bem, no que respondi que sim. Levantei, desliguei o cronometro e o GPS do Adidas miCoach, o treino teve pouco mais de 850 metros (será que eu lanço na planilha?), e mancando voltei pra casa.

Tala no Pé.

Tala no Pé.

Tirei o tênis para ver o estrago, com a intenção de colocar gelo, mas ao ver a bola que estava meu tornozelo, não pensei duas vezes. Peguei o carro e fui pro PS. Além da visível torção a radiografia indicou uma fissura no tálus, um dos ossos do tornozelo. Colocaram uma tala e anti-inflamatório por 7 dias. Bom, pelo menos dessa vez a fratura foi visualizada, pois em 2010 tive um acidente no pé e o médico não viu o trincado no dedinho. Resultado, coloquei gelo por 3 dias e no domingo corri a Etapa Ribeirão da prova do Bradesco, com direito a recorde nos 6km, mesmo com o dedinho quebrado, o que só foi constatado na semana seguinte da prova.

Imagem do Google Street View. Em Maio de 2011 já estava assim.

Imagem do Google Street View. Em Maio de 2011 já estava assim.

Bom, agora estou de molho por pelo menos 10 dias, e com mais uma lição aprendida, de ter sempre mais atenção por onde corremos, mesmo que os caminhos sejam velhos conhecidos. Por sinal, o buraco na tampa do bueiro está lá desde maio de 2011, conforme a foto do Google Street View, e nesse tempo todo, ninguém fez nada. Talvez agora façam.

Vicio

Eu tenho um vício, um vício saudável: Corrida de rua é a minha droga.
Acho que como em qualquer atividade que você desenvolva, saber dosar e manter o equilíbrio é fundamental para que ela seja realmente saudável.

Por isso a certeza de que meu vício só me trouxe saúde e melhora na minha qualidade de vida, e que não tenho que esconde-lo de ninguém: Gosto de correr e gosto que os outros saibam disso. É uma forma de disseminar meu vício e influenciar outros a também adotarem hábitos saudáveis.

As vezes é engraçado você saindo cedo para correr no domingo e a alguém falar: “mas hoje é domingo, não precisa correr”. Como assim? Eu não preciso mesmo de correr dia nenhum, corro por prazer, e esperei a semana inteira por esse dia. Se não tem prova, o domingo é o dia do Longão, aonde vou ir mais longe e até para lugares aonde nunca fui. Aproveitar melhor a manhã de sol ou de chuva, correr tranquilo pelas ruas, podendo me preocupar “menos” com os motoristas apressados da semana.

Seria mesmo melhor passar o domingo sentado na frente da TV com uma lata de cerveja na mão? Porque antes era assim. E cada qual segue com seus vícios, alguns as escondidas, e se tem que esconder, é porque sabem que não é algo bom.

Depois de 4 anos viciado em corrida de uma coisa eu tenho certeza, como disse o poeta, hoje sou muito melhor do que eu mesmo quando não corria.

Treino coletivo, treino solitário.

Domingo, se não tem prova, é o dia do meu Longão. Às vezes coletivo, às vezes solitário.

Domingo passado foi um treino coletivo com os companheiros de 100 Juízo, muito bom. Saímos do Parque Vicentina Aranha e seguimos para o Urbanova. O treino da turma era pra 22K, voltando do Paratehy, o meu era pra 18K, voltei um pouquinho antes.

Depois do treino a galera reunida no Vicentina.

Depois do treino a galera reunida no Vicentina.

O treino coletivo tem suas vantagens, com a companhia dos amigos, parece que ele vai fluindo melhor, e logo você acerta seu ritmo com alguém. Outra vantagem que tivemos foi que a amiga Vanda, impossibilitada de correr, mas não de participar, foi nosso Staff,  e montou um posto de abastecimento próximo ao GACC. Participar de um grupo de corridas tem disso, mais do que colegas de equipe, vamos nos tornando amigos, e participando do desenvolvimento do outro, a conquista de individual passa a ser de todos.

Na quarta um outro treino coletivo de sucesso da Equipe 100 Juízo, do qual não pude participar,  e acabei perdendo as “curvas alucinantes, subidas inesquecíveis, descidas maravilhosas e retas deslumbrantes” do percurso que o Edson Pontes preparou pelo Parque Aeronáutico Joseense. Fique só na vontade ao ver as fotos.

Então no Longão Solitário desse domingo de carnaval, para compensar o treino perdido da quarta, coloquei meu bloco para correr por aquelas bandas. Não me arrisquei a entrar no Jardim da Granja e procurar as tais “curvas alucinantes”. Fui no tradicional, seguindo pela Avenida dos Astronautas e retornando no Aeroporto.

Pausa pra foto no Museu Aerospacial

Pausa pra foto no Museu Aerospacial

Foi realmente um treino solitário, esqueci até do meu companheiro inseparável, o apito. E depois de tanto tempo correndo com o apito no pescoço, ele faz falta. É meu item de segurança, mesmo que não tenha tido necessidade de usá-lo nenhuma vez.

Hoje também testei uma nova fonte de energia. Como acabaram os energéticos em gel, comprei uma bananinha de Paraibuna para substituir. O gel é mais prático, abriu, manda pra dentro e bebe água, mas é ruim pra caramba. A bananinha é muito mais saborosa, mas tem que estar com a mandíbula treinada, é incrível como as pernas correm 20K de boa, mas mastigar a bananinha cansa a boca. Como achei que a absorção das calorias da banana seria mais lenta, mandei pra dentro no km 8, normalmente tomo o gel no km 10. Bom, não sei dizer se foi melhor ou pior, só que foi mais gostoso.

Concluindo: no coletivo trocamos idéias, contamos causos e nos divertimos bastante. O solitário é mais reflexivo, o pensamento vai longe, talvez a concentração no esforço seja maior, em compensação, no coletivo, se faltam pernas, o amigo ao lado te ajuda a terminar.
Mas seja Coletivo ou Solitário, treinar é tudo de bom.

Adeus Ano Velho

Dois mil e doze já é passado, mas vamos ao balanço do ano devidamente registrados graças a Planilha do Fábio Namiuti:

Distância total percorrida de 1152,900 km
Tempo em minutos 7.154,52 ou em horas 119,24
Foram 115 treinos de corrida com um Ritmo médio de 6:12 min/km e velocidade média de 9,68 km/h

Pretendia correr mais, mas passei quase 14 semanas do ano parado por motivos de saúde. Praticamente 3 meses, e no final conclui apenas 14 provas, número bem modesto perto dos meus amigos de equipe, mas para mim está bom, média de mais de uma prova por mês e 3 marcas pessoas foram batidas em 2012 nessas provas:

5 km em 22m29s dia 20 de Maio na Etapa Inglaterra em São José dos Campos da Série Delta (pace de 4:29).
10 km em 48m09s dia 30 de Março na Corrida Noturna de Aniversário de Jacareí (pace de 4:48).
15 km em 1h18m45s dia 18 de Março nos 15K de Barueri (pace de 5:10).
E ainda conclui 2 Maratonas (SP e Rio), com um intervalo de 20 dias entre elas. O tempo nas duas foi aquém do meu desejo, mas foi o que eu consegui, então o tempo de SP 4h45m02s é a marca a ser batida.

Dois mil e treze chega com novos desafios e que possamos quebrar todos os nossos recordes.

Treino do Final de Ano.

Meu 31 de dezembro foi marcado por um treino pra lá de especial. Não inscrito em nenhuma prova, e passando o réveillon em Poços de Caldas, resolvi organizar um treino de virada de ano e até preparatório para Volta ao Cristo, a famosa prova local que acontece no dia 27/12.Meus companheiros nesse desafio foram o meu filho João Paulo, meu sobrinho Rafael e sua namorada Mayra.

Pra baixo todo Santo ajuda.

Pra baixo todo Santo ajuda.

O percurso de pouco mais de 10 km reservava a desafiadora Serra de São Domingos pela estrada que leva ao Cristo Redentor de Poços de Caldas. Para se ter uma ideia, é uma escalada de 449 metros, em cerca de 4 km. Pela imagem da altimetria dá para ter uma noção.

A programação era começar as 7h30, mas uma chuvinha chata acabou dos dando mais um pouquinho de sono, e saímos somente as 9h30. Fui segurando o ritmo inicial, para que os meninos não se empolgassem e queimassem as energias antes do morro. E isso é fundamental, eu já sabia o que me esperava, eles não. E como treino recreativo, fomos muito bem, correndo até onde deu, e depois intercalando caminhadas e corridas, até chegarmos ao objetivo e avistarmos o imponente monumento do Cristo Redentor.

Pausa para fotos, água, e descemos ladeira abaixo. Aqui um parenteses, pudemos comprovar a eficiência do apito. A estrada é estreita, e com o horário foi aumentando o movimento de turistas, e a cada veículo que passava, uma forte apitada alertava a todos, corredores e motoristas, que ficavam atentos.

É estranho como o percurso de volta acaba num instante, apesar de todo cuidado para não desembalar carreira abaixo. Olhando na altimetria se vê bem que para baixo todo Santo ajuda, mas se for o São Silvestre, tem que pedir “permissão pro dono”

Nós chegamos lá!

Nós chegamos lá!

Foi um treino especial, num dia especial, com belas imagens que ficam na lembrança da mata e da Serra da Mantiqueira, que só lá de cima dá pra ver. Finalizamos 2012 com tudo que o esporte e a natureza pode nos oferecer. E que venha 2013, Feliz Ano Novo para todos!

 

Medida Certa

Como já escrevi por aqui, um dos benefícios de se correr é fazer amizades no universo de corredores que vamos conhecendo por ai. Uma outra coisa legal é quando passamos a ser incentivadores de quem não corre, mas tem muita vontade começar. Tenho muitos amigos nessa condição, e quando o cara quer ser mordido pelo bichinho da corrida pede dicas e ajuda para começar a treinar.
O amigo Maurílio Chagas é um desses e me pediu uma mão para começar, o Personal Trainer Matheus Henrique, da Studio Personal Equilíbrio, que foi o responsável pelo meu início, vai dar uma força. Hoje fizemos o teste dos 12 minutos: 2,120km e demos início a base para montar sua planilhas de treinos que começam em janeiro. Objetivo: São Silvestre de 2013.
E eu vou aqui, relatando sua evolução e conquistas, é mais um que logo vai se juntar aos Malucos do Asfalto.

 

Planilha 2013

planilha2013
Seus problemas acabaram!
Já está disponível a versão 2013 Planilha do Fábio Namiuti. Utilizo ela desde 2011, e me ajudou muito, inclusive a perceber que meus batimentos vinham aumentando aos poucos por conta do hipertireoidismo, conforme já relatei aqui.
Para quem gosta de anotar e acompanhar seus treinos, fica a dica: é muito fácil de usar, e você vai ter um relatório completo e minucioso de seus treinos, com planilhas do rendimento semanal, mensal, tipo de treino, etc, etc, etc. Para isso basta registrar seu treino do dia, o resto é por conta dela.
Veja como adquirir a sua nesse link:Planilha do Fábio Namiuti.
Eu recomendo!