Tag Archive for planilha

2014: corri pouco, mas a diversão foi grande!

Fim de ano, hora do balanço geral: 2014 foi um ano atípico na minha vida de corredor. Pela primeira vez, desde 2009 não ultrapasso a marca de 1000 km rodados, cheguei bem perto, mas não corri nem 70% do volume do volume do ano passado, quando rodei 1.425km.

Não tive nenhuma contusão grave, mas tive interrupções leves, cirurgias, e tratamentos que diminuíram o ritmo de treino, mas nem por isso fizeram meu ano menos divertido. Então vamos aos meus destaques do Ano:

(para ler mais sobre os destaques, clique nos títulos e leia os relatos completos)

Galera 100 Juízo em Barueri 2014!

Galera 100 Juízo em Barueri 2014!

O último e difícil km registrado pelo Jorge Ultramaratonista.

Volta ao Cristo no registro do amigo carioca Jorge Ultramaratonista.

XXXII Volta ao Cristo (26/Jan)A cada ano a turma da 100 Juízo aumenta, prestigiando essa que é uma das melhores corridas do Brasil, em todos os aspectos. E a cada ano melhoro meu tempo um pouquinho, nesse que também é um dos percursos mais desafiadores do circuito.

15K de Barueri (30/Mar): Todo ano uma grande surpresa. A revanche com o Tonicão não deu nem graça, só a massagem no fina. Organização nota 10 e gratuita. Sempre deixa boas lembranças e vontade de voltar.

Treino da Fé – Taubaté – Aparecida (1º/Jun): O Treino mais especial do ano, se não fui para fazer o total de 42km, percorri 32k, para chegar no abraço da Basílica de Aparecida. Momentos mágicos que só o mundo das corridas podem nos proporcionar.

A Dutra verde e amarela

A Dutra verde e amarela

Unimed Run (29/06): Meu melhor tempo de2014 nos 10k: 47m21s

Foi porque quis, agora sobe ai e não reclama!

Subindo a Ladeira

Treinão Ladeiras da Penha (14/12): Se já havia encerrado minha temporada de corridas, quando surgiu o convite de última hora, fui meio sem saber o que esperava, e pude participar de um dos mais legais treinos e evento esportivo na minha terra natal. Correr com os amigos pelas ladeiras da Penha (tá bom que na última foi andando), foi o Treinão para fechar meu ano esportivo.

 

 

Números finais:

Total percorridos: 979,4 Km
Total em minutos: 5.448 minutos (90h47m)
Volume mensal médio: 81,6 Km
Mês com maior Volume: Junho (118,8 km)
Pace médio do ano: 5:33 min/km
Dia da Semana em que mais corri: Domingo (497,37km)

Total de Provas: 12
Km total em Provas: 111,6k – Pace médio: 5:13 min/km
Prova mais longa de 2014: XXXII Volta ao Cristo – 16K (1h38m20s)
Melhor Pace: Corrida da Longevidade Bradesco: 6k em 28m16s – Pace de 4:42 min/km
Melhor Prova de 10k: Unimed Run: 47m21s – Pace de 4:44 min/km
Treino mais longo: Treino da Fé: 32km – 3h43m

Como eu sei desses números? Eu uso a planilha de registros do Fabio Namiuti
Clique aqui para adquirir a sua!

Se fiquei um pouco afastado dos treinos e eventos da 100 Juízo, principalmente por incompatibilidade de datas, não deixei de contribuir com aquilo que sei fazer. O grande diferencial de 2014 foram as camisetas personalizadas e alusivas aos treinos, que graças ao empenho da Diretoria, e do apoio dos patrocinadores, tornaram-se realidade, coloriram e abrilhantaram ainda mais as atividades da equipe, e para 2015 muitas novidades virão!
Até lá!!!

Camisetas

Adeus Ano Velho

Dois mil e doze já é passado, mas vamos ao balanço do ano devidamente registrados graças a Planilha do Fábio Namiuti:

Distância total percorrida de 1152,900 km
Tempo em minutos 7.154,52 ou em horas 119,24
Foram 115 treinos de corrida com um Ritmo médio de 6:12 min/km e velocidade média de 9,68 km/h

Pretendia correr mais, mas passei quase 14 semanas do ano parado por motivos de saúde. Praticamente 3 meses, e no final conclui apenas 14 provas, número bem modesto perto dos meus amigos de equipe, mas para mim está bom, média de mais de uma prova por mês e 3 marcas pessoas foram batidas em 2012 nessas provas:

5 km em 22m29s dia 20 de Maio na Etapa Inglaterra em São José dos Campos da Série Delta (pace de 4:29).
10 km em 48m09s dia 30 de Março na Corrida Noturna de Aniversário de Jacareí (pace de 4:48).
15 km em 1h18m45s dia 18 de Março nos 15K de Barueri (pace de 5:10).
E ainda conclui 2 Maratonas (SP e Rio), com um intervalo de 20 dias entre elas. O tempo nas duas foi aquém do meu desejo, mas foi o que eu consegui, então o tempo de SP 4h45m02s é a marca a ser batida.

Dois mil e treze chega com novos desafios e que possamos quebrar todos os nossos recordes.

Planilha 2013

planilha2013
Seus problemas acabaram!
Já está disponível a versão 2013 Planilha do Fábio Namiuti. Utilizo ela desde 2011, e me ajudou muito, inclusive a perceber que meus batimentos vinham aumentando aos poucos por conta do hipertireoidismo, conforme já relatei aqui.
Para quem gosta de anotar e acompanhar seus treinos, fica a dica: é muito fácil de usar, e você vai ter um relatório completo e minucioso de seus treinos, com planilhas do rendimento semanal, mensal, tipo de treino, etc, etc, etc. Para isso basta registrar seu treino do dia, o resto é por conta dela.
Veja como adquirir a sua nesse link:Planilha do Fábio Namiuti.
Eu recomendo!

1000 Km

Hoje completei 1000km correndo em 2012. Foram cerca de 102 horas ou mais de 4 dias que passei correndo, seja em treinos ou provas. E essa marca não poderia ter chegado de maneira melhor, com um tempo sub-5 nos 10km na Oscar Fashion  Running Adidas em São José dos Campos.
O novo percurso realmente deixou a prova mais rápida, mas ainda assim fiquei 1 minuto acima da marca do ano passado.
Corridas de duas voltas não são muito agradáveis, você pode até usar a primeira volta se preparar para segunda, mas nessa prova ela serviu pra lembrar que a subida da Av.Cidade Jardim vai ser mais dolorosa na segunda vez. Em compensação quando volta, descendo, é a hora de tentar recuperar o tempo e sentar a bota. Passei nos 5km com 24minutos , e para repetir os mesmos 24 na segunda volta seria uma façanha difícil, mesmo com o tempo fresco, que ajudou, mas para conseguir baixar dos 48 minutos vou depender de treinos focados nessa meta, e não sei se esse é mesmo meu objetivo. Deixa a corrida me levar.

1000km percorridos em 2012

Completar então 1000km num ano, para quem não corre é uma distância enorme, mas para muitos dos meus amigos corredores pode até parecer uma marca modesta, alguns estão perto de dobrar essa distância em 2012. E realmente é pouco, para quem treinou para uma Maratona e acabou correndo duas, mas cada um tem seu ritmo, seus treinos e seus tempos. Em 2011 corri 1182km, média de 98,5km por mês. Esse ano a média está em 110km, estou na mesma toada, e se pensar que no mês de abril, em plena preparação para Maratona, só pude correr 35km, então estou subindo a média.
Cada km desses 1000 foi muito bem percorrido, a maioria deles por aqui mesmo, pelas ruas de São José dos Campos, mas outros foram mais longe e foram doídos como as duas maratonas (São Paulo e Rio), subi alto como na primeira prova do ano, na Volta ao Cristo de Poços de Caldas e os 1686 metros de altitude do Morro de São Domingos, e foram bem divertidos, como nas provas que viajamos com a 100 Juízo, como Barueri, Ilhabela, Tremembé.
Chegar aos 1000km correndo ao lado da família e dos amigos, isso não tem preço. Todo mundo faz parte um pouquinho dessa quilometragem, os companheiros de equipe, amigos de treinos e provas.
Meu filho João, na sua  4ª corrida, fechou os 5km em 27 minutos. Vem baixando seu tempo em 2 minutos a cada prova, se pegar firme nos treinos, logo estará voando. Depois ainda pude buscar o colega “Robert” Diego Bragion, que fazia sua primeira corrida, e já encarou os 10k, com um tempo pra lá de bom, 54min. É mais um que vai pegar o gosto pela corrida.
E não tem coisa melhor do que rever a turma, os que estavam parados voltando a correr, ver amigos se superando, baixando marcas, levando canecos pra casa, e ver que muita gente pulou da cama cedo, numa manhã fria, para praticar uma atividade saudável, seja correndo, seja caminhando, ou simplesmente incentivando os participantes de uma atividade que faz bem ao corpo e a alma.

Correndo com segurança na Rodovia!

Quem gosta de correr em rodovias sabe o quanto é perigoso. Tem que tomar muitos cuidados para não correr riscos desnecessários, correr no sentido contrário da pista é um deles, guardar a devida distância correndo no canto do acostamento, observar bem os trechos aonde o acostamento é mais utilizado, e aproveitar as margens gramadas, e se puder evitar os trechos mais movimentados é bem melhor. Música nos ouvidos, nem pensar, nesses locais é necessário ter toda a atenção voltada ao percurso e ao movimento.
Já por 2 anos consecutivos, a Equipe 100 Juízo faz um Treinão de Fé, que nesse ano saiu de Taubaté e foi até a Cidade de Aparecida, percorrendo, dos seus aproximadamente 40km, boa parte na Via Dutra, a mais movimentada rodovia brasileira, e que é o trecho Rio-SP da BR-116, que liga o Sul ao Nordeste. Esse treino é cercado de cuidados, e por motivos logísticos, segue o fluxo da rodovia, para o atendimento dos carros de apoio. Ainda não tive oportunidade de fazê-lo, mas pro ano que vem já está na agenda.

Correndo em Rodovias

Sempre gostei de correr em Rodovias. Em Ribeirão fiz alguns treinos na Anhanguera, e sempre corria na SP-333 e SP-328, que liga Ribeirão a Bonfim Paulista, tomava uma água no posto e voltava pra casa. Já tive oportunidade também de correr na Castelo Branco, na cidade de Águas de Santa Bárbara, aonde mora meu pai, fazendo o trecho que liga a cidade a bela cachoeira, ponto turístico local, e já corri também na Rio-Santos, em Bertioga.
Sempre tive um pouco de receio de correr na Dutra, mas tem um percurso bem seguro para quem queira se aventurar em São José dos Campos. No lado direito, sentido São Paulo, trecho da Johnson, Panasonic, passando pela Polícia Rodoviária até a UNIP é bem seguro. Fiz ele duas vezes voltando, fui até o bairro do Limoeiro (UNIP) por dentro, pelo Jardim das Industrias,e voltei pela Dutra. E tem até direito a emoção, do Posto da Polícia em diante, tem uma espécia de ciclovia, de cimento, bem afastada da pista, e protegida por guard rail, e na ponte da Panasonic, ela passa rente pista, mas com a proteção, então dá pra correr bem próximo aos carros, e sentir o vento forte a cada caminhão que passa, com segurança. Depois vem uma longa subida, até chegar na Johnson, aonde corre-se na grama e é bem arborizado, o que ameniza o calor, conforme a época.é um treino muito bom.
Então fica a dica e o mapa do percurso para quem quiser se aventurar na Dutra.

A Frequência do Corredor

Quando você começa a correr, começa a conhecer seu corpo, seu tipo de pisada, seus ritmos cardíacos, sua pressão, e tudo ligado a atividade. Nas planilhas os treinos vem com a porcentagem do BPM (batimentos por minuto) que se deve atingir em cada tipo de atividade.
Assim comecei eu, sem me preocupar muito com isso, mas logo ganhei um Monitor Polar da esposa, e passei a me viciar nos meus números.
E todo esse controle ajuda na evolução e no desenvolvimento do corredor, mas comigo acabou ajudando numa outra coisa.
Em 2011 passei a usar a Planilha de Corridas do Fábio Namiuti, e a ter um melhor controle dos meus treinos, dos meus ritmos e frequência cardiáca. E comecei a notar que, meus Batimentos estavam aos poucos ficando mais acelerado que o normal, mas nada que até então me preocupasse.
No mês de agosto de 2011, o que não me preocupava, passou a preocupar, qualquer trote e os BPM chegava a 180, e isso veio acompanhado de insônia, tremedeiras após os treinos, e sintomas estranhos.
Como faço anualmente, voltei ao cardiologista, e os exames do coração deram normais, mas no sangue foi encontrada uma disfunção da tireóide, o hipertireoidismo, que é quando a glândula, localizada no pescoço, passa, sem explicação, a produzir mais hormônio do que o normal, e esse excesso faz o organismo trabalhar desregulado e acelerado.
E fui proibido de correr até que voltasse a níveis normais.
Em outubro comecei o tratamento com um endocrinologista, e somente no final do ano os hormônios voltaram a níveis normais, quando fui liberado para meus treinos. A tireóide passou a ter altos e baixos, hora trabalha demais, aumenta o remédio e ela trabalha de menos, o hipotireoidismo, diminue-se a dose, e ela volta a ser hiper. Bom, agora ela está controlada, e dentro de 1 mês devo interromper o remédio, e fazer novo exame de sangue para ver como ela reagiu.
Mas o interessante é que, com o resultado em ordem, voltei ao cardiologista, e a recomendação que ele me deu foi para guardar o Polar na gaveta e corresse sem preocupação de tempos, de ritmos, de paces, etc. Tirasse da atividade somente o prazer de correr. Eu entendo o que ele quis dizer, mas ao mesmo tempo, sei que, se não tivesse o conhecimento do meu corpo e dos meus ritmos, poderia ter demorado mais para detectar os sintomas que me atacavam.
Continuo correndo com o monitor, mas, pelo menos uma vez na semana, faço um treino livre de equipamentos, correndo somente pelo prazer que a atividade me proporciona.

Metas para Correr

Dizem que o ideal para quem corre Maratonas, é correr uma a cada semestre. Então eu cumpri minha meta de 2012, tendo completado duas Maratonas (São Paulo e Rio), uma em cada semestre, e ai, desobedecendo outra recomendação, pois foram somente 21 dias de intervalo entre elas, mas não tinha como não ir, corrida com a inscrição na faixa é mais gostoso, e ainda mais sendo maratonas. Diferente da Maratona de S.Paulo, que ganhei a inscrição na semana da prova, a Maratona do Rio, eu já havia ganho a inscrição no começo do ano, então tive tempo de me preparar melhor, ou pelo menos, seguir uma planilha, que teve que ser interrompida no meio por problemas de ordem médica, e que quase colocaram a participação em risco, mas a Meta estava lá: dia 08 de Julho correria a Maratona do Rio.
Quem acompanhou, em 2009, meu inicio nas corridas sabe como eu me foquei e mentalizei na prova alvo, e naquele ano essa meta era a São Silvestre. Nos treinos você procura mentalmente, visualizar os trechos e ruas, e confesso que eu corri umas 10 São Silvestres naqueles 6 meses de treino. Corri a São Silvestre na esteira, no Parque Curupira em Ribeirão Preto, nas avenidas e ruas da Terra do Chopp, aonde morava. Qualquer subida, eu fechava os olhos e me imaginava subindo a Brigadeiro, e nas descidas mentalizava a Consolação. Quando fui para prova, a impressão que tinha é que conhecia bem o percurso, e que já havia passado por ali, uma espécie de dejà vu.
Para Maratona do Rio 2012 eu já conhecia parte do percurso, corri a Meia ano passado, mas nos treinos repeti esse processo de mentalização, me imaginando correndo pela orla carioca, e lembrando de cada trecho, já imaginando como eu estaria ao chegar ali. Várias vezes, esgotado no final dos longões preparatórios de mais de 30km, eu fechava os olhos, e me imaginava chegando no Aterro do Flamengo, cumprindo o último km, e assim, mentalizar o final que eu gostaria para minha Maratona.
Acho que isso ajuda muito, pelo menos a mim ajudou.
Agora acabaram-se as provas alvo de 2012, e sair para treinar sem uma corrida específica em mente, parece que falta algo. E ai surge um novo motivador: O simplesmente correr por prazer.
Correr com os amigos, correr com a família, correr por ruas aonde ainda não passei, buscar novos caminhos e novos lugares, e a meta passa a ser: Estou vivo, por isso eu corro!