Tag Archive for Bananal

“Onde tudo foi e nada é”

Esse blog foi criado para eu escrever sobre corridas, mas impedido de correr, estou aproveitando meu tempo para outras atividades. Então vou aproveitar também o espaço para fazer um relato/desabafo: Estou fazendo um curso de Monitoria Ambiental no SENAC, uma área que nada tem a ver com a minha atividade profissional, mas a oportunidade surgiu, não tinha nada a perder, somente a ganhar, então fui. Uma das atividades desse curso foi nesse último domingo de outubro, impossibilitado de fazer o Treino da 100 Juízo que subiu o Pico do Itapeva em Campos do Jordão, fui com a minha turma do SENAC fazer uma Visita Técnica a cidade Bananal, que outrora já foi uma das cidades mais ricas do Brasil durante o ciclo do café.
É lamentável ver o descaso do Brasil com seu Patrimônio Histórico.
Um exemplo é a Pharmácia Popular, uma farmácia/museu, datada de 1830, do tempo do Império. O Sr. Plínio Graça, último proprietário, cuidou com muito zelo e dificuldades até sua morte em 2011. O prédio é tombado, mas seu acervo não era, e os herdeiros simplesmente fecharam as portas, e muito provavelmente venderam tudo. O mais interessante é que, com uma simples busca na internet você fica sabendo que a ‘Pharmácia Popular’ faz parte do primeiro acervo cultural farmacêutico, do Conselho Federal de Farmácia e da Academia Nacional de Farmácia com patrocínio da Roche. Se ainda existe esse acervo ninguém sabe, ninguém viu, pois mandei um questionamento para Roche e não souberam informar, e nas entidades farmacêuticas não responderam
Se não fossem uns poucos abnegados, que dedicam seu esforço, tempo e dinheiro na tentativa de recuperar aquilo que o Poder Público simplesmente abandonou, o prejuízo seria ainda maior.
Dentro do Solar Valim, que um dia já exibiu riqueza e glamour
O Sr. Reinaldo Afonso, da ABATUR (Associação Bananalense de Turismo), tenta a custa de bingos e doações recuperar o Solar Valim, que pertenceu ao Barão Manoel de Aguiar Valim, o Eike Batista do século XIX. O Solar foi tombado pelo CONDEPHATT em 1972 e depois doado a Prefeitura, que simplesmente o abandonou.
O Sr. Pedro Teixeira, que adquiriu a Fazenda Loanda no ano de 2000, em estado degradado, e vem, mecenicamente, recuperando a propriedade e ainda abrindo a visitação pública.
Monteiro Lobato escreveu sobre região do Vale Histórico de São Paulo em seu livro Cidades Mortas, em 1919: “onde tudo foi e nada é: Não se conjugam verbos no presente. Tudo é pretérito.”
Que Bananal encontre sua nova vocação na recuperação do seu patrimônio e no turismo, e trace novas linhas para que “Tudo seja Futuro”.