Archive for agosto 2013

Teste de Cooper

Utilizado para avaliar a sua resistência em relação a outras pessoas da sua mesma idade e sexo, o Teste de Cooper mede a distância que você é capaz de correr por 12 minutos, mantendo um ritmo constante.

Entendendo os números:

MET: É a sigla em Inglês para Tarefa metabólica equivalente. Ela estima a quantidade de oxigênio usado pelo corpo durante a atividade física.
1 MET = a energia (oxigênio) usado pelo corpo quando está tranquilo, ou fazendo atividades simples, como ler um livro, ou atender o telefone.
Quanto mais trabalha o seu corpo durante a atividade física, maior o índice de TEM.

VO2 máx é o consumo máximo de oxigênio ou capacidade aeróbia é a quantidade máxima de oxigênio que o corpo pode absorver. Se este limite for ultrapassado, o corpo começa a trabalhar em condições anaeróbias e produz ácido lático.

Média é a capacidade aeróbia (VO2 max), que tem as pessoas do seu sexo e idade

A Pontuação compara seu desempenho com pessoas do mesmo sexo e idade.

Avaliação pode ser muito mal, ruim, média, boa ou excelente.

Faça seu teste, corra ou caminhe (vai depender do seu condicionamento) num ritmo constante durante 12 minutos numa pista plana. Marque a distância percorrida nesse tempo, lance seus dados na tabela abaixo, e obtenha o seu resultado. Essa avaliação será útil na hora do profissional de Educação Física for montar sua planilha de treinos.

VII Corrida de Eugênio de Melo – SJC/SP

Normalmente participo de uma corrida por mês, mas agosto tem sempre muitas provas e como no ano passado, fiz três provas no mês. Depois de ter ficado feliz com meus resultados em São Paulo na Night Run e na Corrida do Centro Histórico, a Corrida de Eugênio de Melo seria a oportunidade de sentir que realmente já estou “bem” recuperado.
Eugênio de Melo é um distrito de São José dos Campos e a corrida, que está na sua 7ª edição, comemora o aniversário do distrito, que completa 136 no dia 31.
Dessa vez fui com o mano Maurílio, que em preparação para São Silvestre, participou de sua primeira corrida na distância dos 10km, apesar de já ter cumprido essa distância várias vezes em treinos.
Chegamos cedo no Centro Esportivo, local da largada, e a barraca da 100 Juízo, pra variar, já estava animada. É sempre bom reencontrar os amigos de treinos e provas, dar um reforço no Café da Manhã com o bolo de fubá da Dona Marlene Andrade, e pegar algumas informações sobre o percurso, que teve alteração em relação ao de 2012. Já ciente de que as subidas e descidas do caminho, a meta era cumprir os 10k em 50 minutos, como fiz no ano passado, e foi com esse pensamento que segui para largada depois de um rápido aquecimento.

"Milagres acontecem quando a gente vai a luta" - OTM

“Milagres acontecem quando a gente vai a luta” – OTM

As ruas do bairro ficam estreitas para mais de 1000 corredores passarem, mas mantendo a atenção e controle deu para manter um bom ritmo no começo da prova, e consegui manter o ritmo alvo até metade da prova, quando passei no km 5 com 24m13s. Ainda sonhei em buscar o tão sonhado “split negativo”, mas naquela altura o sol já estava forte e os trechos de subidas são mais fortes no final. Tentando manter a média de 5:00/km, sem deixar subir muito disso achei que era hora de ligar o som, para tentar turbinar as passadas com O Teatro Mágico, e ao ouvir na faixa Transição: “Milagres acontecem quando você vai a luta”, achei até que dava. O “split negativo” não veio, mas consegui chegar no final feliz e dentro da meta: 50m17s.

A alegria do Maurílio em completar sua primeira prova de 10km

A alegria do Maurílio em completar sua primeira prova de 10km

Peguei minha medalha, tomei uma água e voltei até o km 9 para ajudar o amigo Maurílio a terminar sua prova, e tome novamente a subida e a virada para reta final, ali forcei o mano a aumentar seu ritmo, para passar forte, e fechar bem sua primeira corrida de 10km com 1h11m22s (número cabalístico). Está no caminho certo, e para os 15km falta pouco, e eu que pretendo acompanhá-lo nesse desafio também vou pegar firme para chegar bem no final do ano.

Algumas considerações sobre a Corrida:
Muito bem organizada como sempre, entrega do Chip e Número de peito sem atropelo. O local de concentração do Centro Esportivo de Eugênio de Melo é muito legal e teve ótima participação das equipes e atletas, e um percurso bem bacana, com ótimas variações.
A medalha muito bonita também, mas minha crítica fica com relação a falta da camiseta. Não participo de corridas por causa da camiseta, mas ela é uma propaganda da corrida e da cidade, e os corredores usam com orgulho as camisetas das provas que participaram.
Acredito que não seria difícil buscar um fornecedor para essas camisetas, que exibiriam sua marca, afinal se a cidade tem um Circuito de Corridas, não tem nenhuma empresa interessada em patrocinar?
E ainda, no “kit pós prova”, uma imensa sacola da Gamaia, praticamente vazia com o sanduba, suco, barrinha e maça lá no fundo, a meu ver é uma propaganda negativa, vai pro lixo, com sorte pode até ser reciclada, mas é um desperdício. Se não tinham nada para dar, colocassem ao menos um vale desconto, na pior das hipóteses alguém poderia ir na loja comprar alguma coisa.
Bons treinos e até a próxima.

Leia aqui o Relato do Fabio Namiuti

O apito pode salvar sua vida!

Você tem que ajudar a Equipe de Socorro a te achar. Não é sempre que o Rambo está de plantão.

Você tem que ajudar a Equipe de Socorro a te achar. Não é sempre que o Rambo está de plantão. Na foto o Atirador Américo na mata do Morro de São Domingos (Poços de Caldas/MG) em missão pelo TG 04-021 no ano de 1988.

Outro dia achei no Blog do Ricardo Hoffman (Run for Free) uma dica muito interessante e útil sobre o uso do apito em trilhas e locais ermos, aonde o corredor que gosta de se aventurar pelo mato pode passar por apuros. Não conhecia essa regra que foi ensinada ao Ricardo pelo João Carlos, que é fundador e instrutor do Grupo de Treinamento em Selva e Montanha (GTSM) do Norte Fluminense.

Vamos a ela:
Em caso de estar perdido, para ajudar as equipes de resgate na sua localização, deve-se apitar 3 vezes, e enquanto não obtiver resposta do resgate, continue sempre apitando 3 vezes.

Se a equipe de resgate ouvir seu sinal de socorro vai responder apitando 2 (duas) vezes, e tão logo você escute, você responde apitando 2 (duas) vezes também, para sinalizar que escutou.

Se você parar de escutar a equipe de resgate, volte a apitar 3 vezes.

O pedido de socorro com 3 (três) silvos do apito é uma convenção internacional de resgaste, é a maneira correta de se pedir S.O.S como no código Morse, e na ausência do apito, você pode bater em troncos. Com uma lanterna você deve sinalizar como no código Morse.

Lembrando que é sempre bom, mesmo em percursos urbanos, deixar avisado por onde você vai correr. Assim fica mais fácil de te acharem em caso de emergência.

Para ler a dica completa no Blog do Ricardo clique aqui.

Ouça abaixo o Sinal de S.O.S.:

O Corredor Estiloso

Estilo e cara feia no sprint final. Esse é o Tonicão.

Esse é o Tonicão: Estilo e cara feia no sprint final. Atenção no detalhe do tenis, relógio e pulseiras.

Como disse o poeta da Equipe 100 Juízo, Antonio Pedro, o Tonicão: “Corredor ruim tem que ter estilo”, e em estilo, o Tonico é o primeiro colocado de todas as categorias. O cara não vai pra corrida se não estiver com a camiseta, shorts e tênis combinando, acrescente os “manguitos” e “canelitos”, pulseiras e faixas, sem falar que em véspera de prova ele passa mais tempo no cabeleireiro do que treinando, para deixar seus “dreads” arrumados.
Na máxima do poeta, se o cara não consegue se destacar correndo, então que se destaque de outra

Colucci lançando moda na Meia Maratona.

Colucci batendo recordes e lançando moda na Meia Maratona.

forma, pode até ser “apitando” ou fantasiado, mas o cara pode correr bem, baixar seu tempo e ainda lançar moda, como o Antonio Colucci fez, por conta do frio, na Meia Maratona Asics Golden Four SP, será que o ótimo desempenho se deu por conta do modelito?

Um cara que já ganhou 8 vezes a Maratona da Disney pode correr como bem entender.

Um cara que já ganhou 8 vezes a Maratona da Disney pode correr como bem entender.

Correr fantasiado também não é exclusividade da turma do fundão. Adriano Bastos octacampeão da Maratona da Disney, já correu a prova vestido de Minnie, o curioso é que quando correu vestido como a namorada do Mickey chegou em segundo lugar.

 

A São Silvestre é o paraíso dos fantasiados, na tradicional corrida festiva do último dia do ano se vê de tudo, passar pelo o Super-Homem, a Mulher-Maravilha ou o Incrível Hulk faz até você pensar que está correndo muito, deixando os super-heróis para trás, mas para ultrapassar o Homem-Aranha você vai ter que ter pernas. Nosso amigo Castor Meduza participa da São Silvestre desde 1992, e corre fantasiado desde 2006, é o primeiro Homem-Aranha da SS, e começou por pedido do seu pai, fã do herói. Hoje só participa de provas com a sua fantasia.

O Corretor Corredor é o do meio.

O Corretor Corredor é o do meio.

Outro estilo de corredor é o figurinha carimbada. O Corretor Corredor, é o clássico exemplo, com sua conhecida gravatinha e a simpatia de se fotografar com todo mundo e fazendo seu “Olhar 43”, é um cara querido por todos e que está em todas, e até quando ele não está, dá um jeito de mandar as gravatinhas para gente fotografar.

O Renato "Cassio" Ortolan e o Castor Meduza Homem-Aranha!

O Renato “Cassio” Ortolan e o Castor Meduza Homem-Aranha!

E quem nunca achou que estava correndo ao lado do goleiro Cássio do Corinthians em determinada prova? A quem diga que o  Renato Ortolan se parece mais com o Cássio do que o próprio, a foto tá ai pra provar.
O mundo dos corredores é assim, de uma forma ou de outra, você pode encontrar seu estilo para se destacar na multidão, correndo e se divertindo. Mas se você não quer aparecer, você pode até se “fantasiar” de corredor, e só correr! Boa corrida!

Dia dos Pais: 18ª Corrida do Centro Histórico

A galera de São José dos Campos estava grande.

A galera de São José dos Campos estava grande.

Filho de pai corredor, tem que esperar a corrida acabar para dar seu abraço. Meu dia hoje começou cedo: 4h15 da madrugada já estava me arrumando de pé para mais uma corrida na Terra da Garoa com os amigos. Mais uma vez presenteado numa promoção do Facebook pela Líquido, dessa vez o bonde da 100 Juízo seria com o Fábio (Relato do Fábio), o Tonicão, o Elias e o Giovani. Os outros amigos encontraríamos por lá. Ainda imaginava dar mais um cochilo durante o trajeto, mas com esses companheiros é impossível: e tome risada pela viagem tranquila e rápida.

Chegamos cedo no Centro Histórico da Capital Paulista, ainda juntos com a organização da prova, que ainda estava montado o local. A prometida garoa não apareceu, mas a manhã estava bem fria, e os “moradores” da Praça da República nem se incomodavam, ainda, com a movimentação diferente, e seguiam embrulhados em suas “tocas”.

O Grande Maestro José Eduardo Martins!

O Grande Pianista e Professor José Eduardo Martins!

Café para acordar, e nos encontramos com o resto da turma, que estava grande com a “Tropa de Elite” arrebanhada pelo amigo Mineiro para correr com a Líquido.
Se no dia dos pais não pude dar um abraço no meu pai, pude encontrar seu amigo, o Pianista e Professor José Eduardo Martins (Conheça seu blog aqui) e abraçar esse ilustre corredor. Já estivemos várias vezes na mesma prova, inclusive na minha primeira São Silvestre em 2009, mas foi a primeira vez que nos encontramos.

Os preparativos pré-prova (guarda-volumes e banheiro) acabaram tomando mais tempo, por sorte conseguimos uma brecha para largar na frente, logo atrás do pelotão de elite, mas sem o devido aquecimento, porém o grande número de corredores fez a prova começar muito lenta. Largamos na Ipiranga e viramos na São Luis em ritmo de aquecimento. Na Rua Maria Paula fecharíamos o primeiro km com altos 5:56. Seguimos juntos, eu, o Fábio e o Tonico, um abrindo caminho para o outro, logo o Wagner, que está contundido, e correndo num ritmo mais baixo do que o seu normal, passou a puxar a turma. Seguimos a esquerda na Brigadeiro Luiz Antonio, mas nesse trecho ela não bota medo como na São Silvestre, seguindo até a primeira volta, fazendo o retorno passando pela Senador Feijó, Quintino Bocaiuva, Riachuelo e voltando para Brigadeiro, já fazendo no segundo Km um pace desejado de 4:52.
O percurso é muito bonito, e vale a pena ficar atento aos prédios históricos que vão passando.

Voltando pegamos o Viaduto Dona Paulina, aonde encontraríamos o Ricardo Mourão, identificado

Wagner de laranja puxando a fila dos 100 Juízo

Wagner de laranja puxando a fila dos 100 Juízo

de longe com a camiseta alusiva do “Treino de Aparecida”, e passamos juntos pela Praça João Mendes, virando no Tribunal de Justiça e seguindo em direção a Praça Clóvis Beviláqua. O terceiro km foi ainda melhor 4:36, seguindo firme na cola do Wagner, o coelho de elite. Mais ou menos nesse ponto, um portal registrava o momento e postava instantaneamente no Facebook, muito legal, e ficou o registro da nossa que continuava junta: Wagner, eu e o Fábio.
Passamos pelo Patio do Colégio, local aonde a cidade nasceu, e resgataram lembranças da minha infância na capital. Viramos na Libero Badaró e seguimos ao Viaduto do Chá.
Muito legal também o som do rock tocado pelas bandas estrategicamente colocadas ao longo do percurso, ecoa pelos prédios, e ajuda a manter e até a aumentar o ritmo, e assim segui firme, na cola do Wagner, que experimentava uma corrida diferente, correr devagar, mas para mim estava forte, e continuei conseguindo manter. Passamos pelo Viaduto do Chá, viramos em direção Largo da Memória e retornamos na Praça Dom José Gaspar, fazendo uma volta e retornando Rua 7 de Abril, e fazendo nova volta em torno do imponente Teatro Municipal. A essa altura, já passados 6km de prova, fiquei somente eu na cola do Wagner, e perdi o Fábio de vista. Voltamos pelo Viaduto do Chá, agora em direção a Santa Efigênia, e quase defronte a Igreja, viramos na Rua do Seminário, aonde relembrei do Restaurante Fuentes, aonde meu pai nos levava para comer uma deliciosa Paeja, mais lembranças da infância, e mais uma voltinha passando pelo Largo do Paissandu e retornando para Santa Efigênia, ao som de “Welcome to the Jungle” tocada por uma banda rock só de mulheres. Se no km 7 o pace foi de 5:06, ele seria recuperado no 8º, voltando a casa dos 4:45. Só faltava retornar a Avenida Ipiranga e voltar ao ponto de partida, mas ainda restava um último cotovelo na Avenida São João. O relógio marcou os 9km com 44m20s, mas ainda restavam 450m, que deram de diferença entre a distância oficial e a registrada pelo GPS.

Chegada!

Chegada!

Depois da conferência no mapa, vou ficar com o GPS, e fechei 9,450km em 46m23s, o que teu um pace médio de 4:54/km. Do jeito que eu gostaria que fosse e que enche de satisfação pois estava ali somente para me divertir, e foi exatamente o que aconteceu, me diverti com meus amigos, fazendo o que gosto, na cidade aonde nasci e num percurso histórico e que ainda me trouxe boas lembranças. Depois disso só faltava mesmo voltarmos bem para casa, para receber o abraço da família e termos nosso merecido almoço do Dia dos Pais.

 

Night Run Special Edition SP – 2013

O retorno às provas, pós Maratona, não poderia ter sido melhor. Ganhador de uma promoção da Líquido, juntamente com vários amigos, fizemos uma caravana rumo a USP, para participar da badalada corrida em comemoração aos 10 anos da O² e também pelos 120 anos da Politécnica.

A galera de São José dos Campos na Night Run!

A galera de São José dos Campos na Night Run!

Turma animada e uma grande risadaria com as tiradas no poeta e agora estilista de moda para corredores, Tonicão, que sempre tem um verso na ponta da língua para alegrar os corredores: “Correr com os amigos também é vitória”.

Chegamos cedo, e o local me trouxe lembranças da Maratona de São Paulo do ano passado, a primeira e “melhor” (ou seria menos ruim) participação na distância, mas dessa vez estava ali na USP para correr somente 10km, e na expectativa de avaliar minhas condições pós contusões.

A Night Run é uma balada muito legal, com clima de festa, muito bem organizada e com um

O discípulo do Corredor do Apito: meu sobrinho Rafael.

O discípulo do Corredor do Apito: meu sobrinho Rafael.

clima futurista, e enquanto ainda não tinha a muvuca de gente, que ainda estava chegando, encontrei meu sobrinho e discípulo Rafael e sua noiva Mayra. Seria a primeira vez que correríamos juntos. Acabamos nos desencontrando depois de guardar as tralhas no guarda-volumes, e só nos veríamos novamente no final da prova.

Aquecimento rápido, eu, o Fábio (Leia o relato do Fábio aqui) e o Tonicão, e dali cada qual foi para o seu pelotão de largada. Eles seguiram para o Quenia, e eu fiquei no azul, e o Edson largaria um pouco atrás de mim.
A largada pontual, mas com o congestionamento normal das corridas com um grande número de participantes. E logo nos primeiros metros, acho que um erro da organização em colocar um grande buraco em obras, logo de cara, e ainda numa prova noturna. Enfim, atenção redobrada, e passei sem maiores percalços, mas soube de corredores que acabaram caindo e se machucando.

Correndo com Fé!

Correndo com Fé!

Sai num ritmo satisfatório, mas no primeiro Km tive a impressão de que havia ido muito lento. Foi mais impressão, mas segui evitando ficar olhando a todo instante no relógio, escondi o visor do relógio, e segui tentando estabelecer o ritmo certo, de vez em quando dava uma olhadinha, e no km 3 vi que havia conseguido manter o alvo de 5:00/km até ali, e fui assim até a metade da prova, quando o ritmo começou a cair um pouquinho. O Edson acabou me passando, e ainda tentei pegar seu pique para melhorar meu tempo, mas ele seguiu com todo gás. No km 8 uma subida não esperada, e nem tão acentuada assim, mas que colocou em prova a resistência final, o ritmo caiu bem, mas foi legal fazer um último km rápido para recuperar o tempo perdido. No balanço final, cheguei 1m40s acima do tempo almejado, que era de 50 minutos, mas fiquei satisfeito com o retorno, e da oportunidade de correr mais uma na faixa, por conta da Líquido. Aliás, a camiseta da prova é muito bonita, e a medalha, apesar de não ter data nem especificação da distância, também.

E que venha a próxima, no domingo que vem já tem a 18ª Corrida Líquido Corpore Centro Histórico, também na faixa, de outra promoção no Facebook!